sexta-feira, 26 de junho de 2015

Racismo na entrevista de Dunga na Copa América

Axé,

Racismo é algo inaceitável. O vídeo do Dunga mostra uma dessas várias facetas. Não podemos fechar os olhos para isso. Agradeço ao Athus, meu irmão de santo, pelo aviso e a crítica feita.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

RAB: Resistência e combate à instituição da intolerância

RAB: Resistência e combate à instituição da intolerância

Veja um trecho:

"Recentemente fomos atacados pelo preconceito, acompanhado pelo etnocentrismo e pela xenofobia. Preconceito porque houve discriminação com o que difere do estilo de vida ocidental padrão. Inclui-se aí o etnocentrismo porque, nesse caso, o atacante julga-se superior; e a xenofobia, pois manifesta o ódio, terror e medo do estrangeiro e sua cultura, nesse caso a africana. Se para Kailane Campos o candomblé é bom, algum indivíduo ou alguma instituição tem o direito de dizer o contrário? Os adeptos das religiões afro-brasileiras vivem suas religiões de acordo com éticas próprias, que não são as das religiões judaico-cristãs. A pedrada não atingiu apenas a candomblecista de onze anos, mas todos, porque manifesta a existência de ações nefastas resultantes de uma produção cultural, como o diz Stela Guedes Caputo: "discriminação e racismo são violências que se ensinam".

Saiba mais pelo vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=X7nKI5eL6aU

Ou diretamente pelo Blog Espiritualidade e Sociedade:http://sacerdotemedico.blogspot.com.br/

quarta-feira, 17 de junho de 2015

MAPEAMENTO DA ESTRUTURA INICIÁTICA E DO DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO DA UMBANDA ESOTÉRICA: “CICLOS” E “FASES”

MAPEAMENTO DA ESTRUTURA INICIÁTICA E DO DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO DA UMBANDA ESOTÉRICA: "CICLOS" E "FASES"

Leia um trecho da Introdução:

"Conversando com o Mestre"... Recordo-me de ter escrito muitos textos nas redes sociais começando com essa expressão. Isso é fruto de vivência, observação atenta do que o Mestre fala e, principalmente, faz. Nesse contato constante, olho-no-olho, experimentamos as mudanças de uma Tradição viva.
A Umbanda Esotérica vive um momento de gala. Realmente algo paradigmático. Mestre Araphiagha (Pai Rivas de Ogiyan) está passando a limpo a doutrina dessa Raiz. Retificando tudo que diz respeito aos aspectos inaceitáveis de misoginia, homofobia, etnocentrismo, xenofobia, racismo, evolucionismo social e cultural.
Esses e outros temas são conversados sempre em nossa Casa. Em uma dessas poderosas conversas, Itarayara ouviu atentamente de seu Pai Espiritual seus ensinamentos. As linhas que se seguem agora expressam um pouco do que vivemos diuturnamente no tempo.

Yabauara - João Luiz Carneiro

Leia o texo na íntegra em: http://sacerdotemedico.blogspot.com.br/

quinta-feira, 11 de junho de 2015

segunda-feira, 8 de junho de 2015

O sacerdote e o livro

Comecei meu último texto por uma citação da obra Matta e Silva. Retomo esse com os dois prefácios que Ele escreveu para seu filho e sucessor Rivas Neto. Os referidos textos estão disponíveis no link:http://sacerdotemedico.blogspot.com.br/…/w-w-da-matta-e-sil…

, sendo que o primeiro está digitalizado o manuscrito.

Aos seguidores dos livros, dos textos de Matta e Silva, não deixem de ler o que está nesse link postado na rede mundial de computadores desde julho de 2010. São palavras certeiras que da década de 80 para cá só mostraram quem de fato poderia levar a frente a Raiz da Umbanda Esotérica.

Mas sejamos bem simples e objetivos. O que Matta e Silva escreveu, tá escrito. Quem Matta e Silva iniciou, tá iniciado. E a quem transmitiu a Raiz, está transmitido. Os fatos são fatos.

Sobre as obras é evidente que precisam de reparações. Ir contra isso é admitir que algumas passagens etnocêntricas, misóginas são corretas. Alguém realmente seria conivente com isso? E as entidades de quem corrobora com essa ortodoxia, chancelam todo o exposto?

Quanto aos iniciados por Ele, a questão se torna mais simples ainda. Observem claramente quem levou a frente o trabalho. Com casa aberta há décadas e realizações em prol da coletividade afro-brasileira, sem distinções étnicas, sociais e/ou culturais. Quem dignou o trabalho iniciado por Mestre Yapacani e quem ficou decorando seus livros escondido em suas casas. A conclusão é evidente. O problema é que o livro não consegue dar iniciação, muito menos em aspectos magísticos mais profundos. Alguns devem estar se doendo por não conseguir saber o que acontece hoje no T.U.O., não?

Finalmente e não menos importante. A transmissão da Raiz feita em rito com várias testemunhas oculares e em cartório... O que mais dizer? As obras de Matta e Silva, bem como de Rivas Neto foram, estão e serão retificadas e ratificadas. Mas seus legados, tanto do antigo Mestre como do atual sucessor não são contados em páginas de livro, mas em horas de vivência no terreiro, sob os auspícios de Ifá. Tanto na antiga TUO de Itacurussá como no atual TUO de Itanhaém.


Yabauara

Legado escrito de Matta e Silva - Uma obra datada

"Porque, a Corrente Astral de Umbanda, nessa 1ª fase de ação no Brasil e por dentro dessa coletividade chamada dos cultos afro-brasileiros, teve um objetivo e se apresentou assim: com 'caboclos, preto-velhos etc'; porém, na segunda 2ª fase de ação, a se iniciar dentro de poucos anos, essa Corrente vai revelar novos aspectos... novos horizontes. É só, senhores 'magistas, esoteristas, ocultistas etc.'...". Essa citação é de Mestre Yapacani – W. W. da Matta e Silva, sendo a mesma extraída do livro "Segredos da Magia de Umbanda e Quimbanda" 3ª edição – p. 14 pela então Livraria Freitas Bastos.

Mais uma vez a análise oferecida pelo seu filho de santo e sucessor, Rivas Neto no vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=xdkO9bzaoIA, é clara. Mestre Yapacani deixa bem claro que sua obra é datada. Não só pela localização histórica dela, segunda metade do século XX, mas – e principalmente – pelo anúncio que ele mesmo fez já em sua obra de uma nova fase, mais precisamente a segunda, que inclusive estaria há poucos anos de ser iniciada.

Na sequência, Rivas Neto nos oferece algumas das passagens que precisariam ser retificadas em obediência a essa mesma fase citada pelo seu Mestre e que fora também pedido pessoalmente ao sucessor para que procedesse. Como sustentar argumentos que são misóginos, etnocentristas e até mesmo xenófobos?!?!

Para os simpatizantes e praticantes da Umbanda Esotérica, permanecer nessa postura ortodoxa imputa dois erros crassos. O primeiro é de ser conivente com os equívocos que foram corrigidos, questões de ordem sexual, social, histórica e cultural. Que não podem passar desapercebido numa leitura mesmo que superficial das obras de Matta e Silva.

Segundo, e não menos importante, mesmo aqueles que não tem Mestre (o que já seria inaceitável na escola de Matta e Silva) e preferem seguirem o livro, como ir em frente? Se uma nova fase foi marcada pelo autor e ele não escreveu mais obras sobre isso, como seguir e se atualizar apenas com textos? A resposta é fácil e clara, aliás, tem endereço: T.U.O. de Itanhaém (SP).


Yabauara

TUO Atualizações teórico práticas

TUO Atualizações teórico práticas


Saiba mais assistindo ao vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=xdkO9bzaoIA


Ou diretamente pelo Blog Espiritualidade e Ciência:http://sacerdotemedico.blogspot.com.br/