segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Rito dos Mabassas: a Vida venceu a Morte antes da hora

Axé!
São Cosme e Damião, Dois-dois, Ibeji, Crianças, Candengos, Tocuenis ou Mabaça? Isso e muito mais foi visto, ouvido, sentido, experenciado na casa da minha irmã de santo Yamaosilê (Fabi de Yemanjá) pelas mãos de nosso Mestre Espiritual, Pai Rivas. 
Em nosso terreiro, o Mestrado de Pai Rivas mostra que a Espiritualidade é algo comum dos vários caminhos de felicidade que os seres humanos procuram. Essa postura apologética da alteridade foi ritualizado no último rito de sábado na cidade de Itanhaém. E Não poderia ser melhor a representação simbólica: os gêmeos. 
Sim, aqueles que são idênticos e diferentes ao mesmo tempo. Aqueles que com sua magia "enganam" a morte antes da hora e expressam a vida. O vídeo, as fotos, o texto preciso da minha irmã Yacyrê apresentam elementos do que estou falando. Pai Rivas assim como a louvaria de Mestre Canindé "deu a volta no mundo". E nesse giro a Gira se processou.
Nosso Mestre tocou tradições com respeito incondicional à liturgia própria de cada uma. E esse mesmo respeito e formação Iniciática que Pai Rivas externaliza, permitiu demonstrar as semelhanças desses vários ritos. Tal qual a Espiritualidade é o ponto comum para os vários caminhos do Sagrado, a gestação, preservação e ampliação da Vida é o elo de comunicação de todos os ritos citados no início do meu texto.
E nada melhor do que o Mito entoado por Pai Rivas para explicar uma das formas que Ibeji venceu a morte. Vencemos a morte dentro da nossa Tradição pelo rito, pelo transe, pelo amor incondicional aos nossos Ancestres carnados e desencarnados. Não faz muito tempo, meu Pai contou que a melhor forma de distribuir e potencializar o Axé é quando a sua comunidade mais se relaciona entre si, mais irmãos vivem, conversam e convivem com seus irmãos.
Ou seja, a vida está diretamente ligada com a comunicação. A comunicação é o meio por excelência de relacionamento de no mínimo duas pessoas. Dentro do terreiro aprendemos isso, em primeira instância, com o nosso Mestre, na relação de discipulado. Que exemplo vivo, o batismo na Jurema de minha irmã Yamaosilê! Que bonito, ver o Mestre cruzando-a (em amplos sentidos) e fortalecendo o coletivo!
Conforme o tempo de iniciação e experimentação deste Axé, vamos potencializando as relações. Ao ponto de termos, hodiernamente, a plena consciência que na essência que os Dois-dois são a representação máxima da comunicação pela Amizade, pelo Amor.
Como peguei meu Saco da Vida, consagrado por Mestre Canindé, tenho certeza que estarei ano que vem lá, novamente para participar do Toque dos Mabaças. Isso é fundamento, fundamento é vida! 
Longa Vida à nossa Raiz, à nossa Tradição!
Mestre.Seu filho Yabauara, pede a benção. 
Ibá Babá! 
Axé, Babá Mi Ifatosh'ogun



Aranauan, Saravá, Axé,
Yabauara (João Luiz Carneiro)
Discípulo de Mestre Arhapiagha (Pai Rivas)


 
Clique na imagem e conheça o site da FTU

Um rito para ficar na história... (texto, fotos e vídeo!)

Axé!

Veja um trecho do relato preciso da minha irmã Yacyrê sobre o maravilho rito que experenciamos no último sábado:

Os Mabassas vencendo a Morte: depoimento de uma de minhas filhas-de-santo sobre o Toque dos Mabassas

Dedico esta publicação ao relato de uma de minhas filhas-de-santo, Yacyrê, sobre o Toque dos Mabassas:

"27 de setembro é data deveras conhecida nas religiões afro-brasileiras. E, mesmo fora delas. Dia consagrado a São Cosme e São Damião, santos católicos e que, no panteão afro-brasileiro, representam as crianças, os gêmeos, os dois-dois, candengos, tocuenis e mabassás (na angola).
É data marcante nos calendários litúrgicos de várias escolas afro-brasileiras. Ontem, juntamente com meus irmãos-de-santo, tive a oportunidade de vivenciar mais um toque dedicado à louvação dessas entidades. Toque este que viabiliza, como todos, a reatualização dos mitos religiosos. O mito dos Ibejis é esclarecido por meu Babá no vídeo que acompanha esta publicação, por isso, deixo que a voz de minha Tradição por aquele que melhor a representa, possa contar os meandros da história mítica dos gêmeos. A mim cabe, nas breves linhas a seguir, descrever parte do sentimento vivenciado no ritual."


Aranauan, Saravá, Axé,
Yabauara (João Luiz Carneiro)
Discípulo de Mestre Arhapiagha (Pai Rivas)


 
Clique na imagem e conheça o site da FTU

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Mãe Maria Elise Rivas em debate na UFABC: as religiões afro-brasileiras e suas perspectivas sobre diversidade sexual

Nossa filha de santo em debate na UFABC: as religiões afro-brasileiras e suas perspectivas sobre diversidade sexual

Hoje nossa publicação é destinada a apresentar parte do resultado da participação de nossa filha de santo e sacerdotisa Yamaracyê, Maria Elise Rivas, convidada a representar as religiões afro-brasileiras no evento promovido pela prefeitura de Santo André e a Universidade Federal do ABC intitulado: Diálogo sobre Estado laico, gênero e diversidade sexual no campo da fé e das religiões.
O evento contou com a participação de vários líderes religiosos como representantes batistas, metodistas, presbiterianos, católicos, espíritas, luteranos e muçulmanos. O debate central foi a visão dessas confessionalidades sobre a diversidade sexual e de como as comunidades religiosas vem lidando com as questões LGBT. Mais do que apresentar uma posição sobre o assunto, deixaremos que nossa filha fale por nós. Sabendo que é uma honra para o pai-de-santo quando observa isso. Sinal de que os ensinamentos-vivências não foram apenas transmitidos, mas  incorporados na cotidianidade pelos seus filhos, no caso específico de hoje, pela sacerdotisa Yamaracyê.


Aranauan, Saravá, Axé,
Yabauara (João Luiz Carneiro)
Discípulo de Mestre Arhapiagha (Pai Rivas)


 
Clique na imagem e conheça o site da FTU

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

XXIII Rito de Exu : Guardião do Destino, Vencedor da Morte / IV Congresso Internacional de Sacerdotes e Sacerdotisas das Religiões Afro-brasileiras

            A entidade do panteão das Religiões Afro-brasileiras mais ligada com o nosso plano de existência é Exu - O Senhor do Axé e do Destino, pois é o grande agente intermediário e de ligação entre os homens e os Deuses, o Sagrado.

            A Faculdade de Teologia Umbandista tem a honra de convidá-lo(a) para o rito que terá este ano como enredo Exu: Guardião do Destino, Vencedor da Morte. O rito visa propiciar o equilíbrio e o bom relacionamento entre os aspectos sobrenaturais (Orun) e aspectos naturais (Aiyê), proporcionando assim, alegria e felicidade à comunidade de santo e à sociedade em geral.

            O XXIII : Guardião do Destino, Vencedor da Morte será realizado no dia 26/10/2013, às 23h, nas dependências da FTU, no templo das Religiões Afro-brasileiras. Ele será conduzido por Pai Rivas e todos os Sacerdotes destas mesmas religiões.

            O rito será a coroação de outro evento igualmente importante. Trata-se do IV Congresso Internacional de Sacerdotes e Sacerdotisas das Religiões Afro-brasileiras na mesma data, entre 19h30 e 22h30, na Av. Santa Catarina, 400.

            Solicitamos a vossa senhoria a gentileza de confirmar sua presença previamente pelos telefones (11) 5031-8852 e (11) 5031-8110 ou diretamente pelo email: faculdade@ftu.edu.br

Acesse o convite oficial: pic.twitter.com/JRgHfpWOpa

Aranauan, Saravá, Axé,
Yabauara (João Luiz Carneiro)
Discípulo de Mestre Arhapiagha (Pai Rivas)


 
Clique na imagem e conheça o site da FTU

Educação nas religiões afro-brasileiras: construindo olhares para a diversidade

Aranauan, Saravá, Axé,

Porque é sempre bom compreender a relação: Educação e Religiões Afro-brasileiras dentro do terreiro...

Educação nas religiões afro-brasileiras: construindo olhares para a diversidade


Nos últimos textos temos discutido a relação entre a educação e as religiões afro-brasileiras, sob o ponto de vista dos cursos a distância. Hoje, gostaríamos de trazer uma nova perspectiva que é a relação da educação religiosa nos terreiros. Nas religiões afro-brasileiras, não há uma forma de transmissão formalizada da doutrina religiosa. Não há um processo de catecismo, dias específicos para ensinar o que são os orixás, os ancestrais, os rituais, etc.
Em todas as religiões afro-brasileiras (e há muitas), a educação religiosa se faz por meio da vivência. Isso significa que há um processo de apreensão cultural por meio da observação natural e da prática. As crianças são, naturalmente, conduzidas para os rituais por sua família consanguínea. Pelo menos, esta é a forma principal que as crianças se aproximam dos terreiros.


Aranauan, Saravá, Axé,
Yabauara (João Luiz Carneiro)
Discípulo de Mestre Arhapiagha (Pai Rivas)


 
Clique na imagem e conheça o site da FTU

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Cursos EaD da FTU: compromisso com o Ministério da Educação e com as várias Tradições Afro-Brasileiras

Axé,


Aranauan, Saravá, Axé,
Yabauara (João Luiz Carneiro)
Discípulo de Mestre Arhapiagha (Pai Rivas)


 
Clique na imagem e conheça o site da FTU

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Tradição religiosa, educação a distância e cultura digital

Axé!

Tradição religiosa, educação a distância e cultura digital

Em nossas últimas publicações temos discorrido sobre a educação a distância e seu uso com as religiões afro-brasileiras. O uso das novas tecnologias deixa de ser um assunto periférico e já é um elemento fundamental da nossa cultura. Vivemos inseridos na era da cultura digital. Ao escrever sobre isso, imediatamente, pensamos em um momento de transformações, tecnologias, inovações. E as religiões afro-brasileiras parecem não se adequar, de início, a este contexto. Alguns leitores poderiam nos questionar essa aparente não adaptação.
Ao falar em religiões afro-brasileiras, o povo do santo e os estudiosos da academia gostam de evocar a palavra tradição. Tradição como raiz, como origem, como princípio. Gostam de procurar os purismos, em uma busca pela "verdade". Nós, por outro lado, pensamos a tradição de uma forma diferente, embora respeitemos a visão acima mencionada.

Saiba mais em: 

Aranauan, Saravá, Axé,
Yabauara (João Luiz Carneiro)
Discípulo de Mestre Arhapiagha (Pai Rivas)


 
Clique na imagem e conheça o site da FTU

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Publicação nova no Blog de Pai Rivas

Axé,


Aranauan, Saravá, Axé,
Yabauara (João Luiz Carneiro)
Discípulo de Mestre Arhapiagha (Pai Rivas)


 
Clique na imagem e conheça o site da FTU

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

FTU abre cursos de extensão na modalidade EaD!

O acesso ao conhecimento é fundamental para a inclusão social em nossa cultura e uma das missões da Faculdade de Teologia com ênfase nas Religiões Afro-brasileiras (FTU) sempre foi facilitá-lo. É, então, com alegria que divulgamos mais uma realização em prol da disseminação ampla dos conteúdos afro-brasileiros: os cursos de extensão na modalidade a distância. 
Agora, a comunidade de santo e os(as) colegas pesquisadores(as) do país e do exterior poderão acompanhar parte das discussões realizadas pela FTU, com a vantagem de não precisarem se deslocar fisicamente e de terem liberdade para realizar as aulas no momento mais adequado de acordo com sua rotina. 
O primeiro curso disponível é "O poder das ervas medicinais e rituais nas Religiões Afro-brasileiras", cujos conteúdos abordam temas como: a introdução à botânica, a importância das ervas para a saúde física e espiritual, tópicos de fitoterapia e, especialmente, sua função mágico-ritual nas várias casas de santo espalhadas pelo Brasil e suas relações com os Orixás, Inkices e Voduns.
O curso é ministrado por docentes da FTU e, também, por colaboradores de outras instituições, como a USP. A carga horária é de 16h e será expedido certificado de participação pela instituição. 
Um verbete clássico na linguagem do santo é "Kosi Ewe, Kosi Orisa". Venha entender porque, nas Religiões Afro-Brasileiras, sem ervas não há Orixá! 
Acesse ftu.eadbox.com e aproveite o desconto de 50% nos cursos durante o mês de setembro.
Para mais informações, entre em contato pelo e-mail extensaoead@ftu.edu.br

http://ftu.eadbox.com/


Aranauan, Saravá, Axé,
Yabauara (João Luiz Carneiro)
Discípulo de Mestre Arhapiagha (Pai Rivas)


 
Clique na imagem e conheça o site da FTU